Notícias
icone do titulo
02.05.2014
Veja como foi o 1 de maio no Recife e em So Paulo

Veja como foi o 1º de maio no Recife e mais abaixo como foi em São Paulo, estado sede da CUT Nacional...

 

Mobilização nas ruas do centro do Recife,  evento puxado pela CUT (Direção Estadual) e por outras centrais sindicais que estiveram junto conosco
 
O ponteiro do relógio apontava às 11h, quando uma fina chuva acompanhou o início da passeata que seguiu o trajeto de parada em três pontos de referência: Câmara Municipal do Recife, no Parque 13 de Maio; Palácio da Justiça de Pernambuco, na Praça da República; e o Pátio de Nossa Senhora do Carmo. Todos os locais na área central da cidade.
 
Durante o percurso, um momento expressivo marcou pela irreverência na lavagem simbólica das escadarias do edifício-sede do Poder Judiciário do Estado. Com muita água e sabão, “os militantes deixaram a porta de entrada do local limpo de sujeiras”, como classificou um deles após a ação.
 
A passeata foi encerrada, por volta das 13h, no Pátio de Nossa Senhora do Carmo, com agradecimentos e informes do presidente da Central de Pernambuco, Carlos Veras. “Parabenizamos todos (as) que estiveram presentes nesse ato público do Dia dos Trabalhadores (as). Vamos continuar firmes e fortes pela luta de nossos direitos, sempre’, declarou. 

O SINTEEPE esteve presente através
dos diretores Sérgio, Washington,
Geraldo, Alex, Claudivan e Henrique.










 

Mobilização em São Paulo, evento puxado pela CUT (Direção da Nacional) e por outras centrais sindicais  que estiveram junto conosco

 

Dilma atendeu duas reivindicações, mas ainda faltam redução da jornada e fim do fator previdenciário

 

Em ato do 1º de Maio em São Paulo, presidente da CUT, Vagner Freitas, falou sobre medidas anunciadas nesta quarta (30) pela presidenta

 

 

Os trabalhadores cobraram e a presidenta Dilma Rousseff atendeu parte da pauta que a CUT e as demais centrais sindicais levaram à 8ª Marcha da Classe Trabalhadora, no dia 9 de abril.

Durante pronunciamento em cadeia de rádio e TV na noite desta quarta-feira (30), Dilma anunciou a correção da tabela do imposto de renda (IR), que será de 4,5%, e a manutenção da política de valorização do salário mínimo, conforme cobravam as centrais.

Para o presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, que participa da celebração do 1º de Maio da CUT-SP, no Vale do Anhangabaú, o anúncio foi “excepcional” e apontou a importância das medidas para o bolso dos trabalhadores.

“Quem paga imposto no Brasil é o trabalhador e a correção da tabela do IR impede que o “Leão” fique com os aumentos reais que conquistamos nas campanhas salariais e com o valor da PLR (Participação nos Lucros e Resultados”, afirmou.

Sobre a manutenção da política de valorização do mínimo, Vagner ressaltou que a postura da presidenta representa também um enfrentamento a uma corrente conservadora que defende o aumento do salário como estopim para a elevação da inflação.

“Há uma guerra hoje no Brasil encampada por políticos atrasados e candidatos financiados pelos bancos e pelos empresários em defesa dessa conquista da classe trabalhadora. E a Dilma disse que no governo dela a elevação do mínimo, como defendemos, continua”, ressaltou.

O dirigente alerta, porém, que a pressão das centrais continuará em defesa de outros dois pontos considerados prioritários pelos trabalhadores: a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais sem redução de salário e o fim do fator previdenciário.

Ambos os pontos foram discutidos nessa terça-feria (29)com o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves (PMDB-RN). Ficou definido que uma audiência na Comissão Geral do Trabalho da Casa discutir as reivindicações trabalhistas.

“A redução da jornada vai gerar mais empregos e permitir melhor a qualificação, porque vai sobrar mais tempo para o trabalhador estudar. Enquanto o fim do fator é essencial para corrigir uma injustiça, a queda da renda do trabalhador que se aposenta justamente no período em que mais precisa e após ter contribuído por anos coma  construção do país.”

Questionado sobre a postura do governo na negociação no governo, Vagner disse que o Executivo entendo que o momento não é propício e rebateu a alegação de quem defende a necessidade da medida como mecanismo para não quebrar a Previdência.

“O governo diz que a mudança agora não seria uma boa sinalização para o Mercado, mas não concordamos.  Essa é uma herança maldita do período FHC e por isso vamos fazer mobilização para mudar, porque quem quebra a Previdência não é o fim do fator e sim fazer desoneração sem contrapartida das empresas de não demitir. A rotatividade acaba por aumentar o custo do seguro-desemprego e isso sim impacta na Previdência”, defendeu.


Vagner (esquerda) e Adi no palco montado no Vale do Anhangabaú pela CUT-SP para celebrar o 1º de Maio (Fotos: Roberto Parizotti)
Vagner (esquerda) e Adi no palco montado no Vale do Anhangabaú pela CUT-SP para celebrar o 1º de Maio (Fotos: Roberto Parizotti)

Rua do Veras, Nº 69 - Boa Vista - CEP 50060-190 Recife/PE | Fone: (81) 3231.7853 | Fax: (81) 3221.1688 | sinteepe@gmail.com